quinta-feira, 24 de maio de 2012

Lagrimas da Noite

Procuras para guiar uma alma cega
Sentidos iludidos por luzes negras
Auras de anjo pra mascarar corações negros
Sorrisos queimando os olhos
Roubando suas cores para vê-las desbotando
E tudo que eu tenho é um pedaço de mim
Dividido em muitos para cobrir-me

Venha até mim, toque-me para ver
Se estamos de novo
Caindo sem ter o que tivemos
E desejando esperança
Merecemos o desejo de sermos
Livres como jamais fomos

E me curvarei a você, majestade
Vendendo aquilo que vai me roubar
E direi suas palavras como se fossem minhas
Oh! Majestade

Censuras inertes na mente
Que segue para um lago seco
Vazio de todas as belezas
Legado de tristeza
Desejando de abandonar sua herança?

Rastejando sobre a verdade
Comendo as sementes que nasceram da terra
Presenteados com a morte
E ainda cegos
Iludidos por luzes negras


E me curvarei a você, majestade
Vendendo aquilo que vai me roubar
E direi suas palavras como se fossem minhas

Nenhum comentário:

Postar um comentário